Nova Zelândia

O país de aproximadamente cinco milhões de habitantes possui 26 milhões de ovelhas e 10 milhões de vacas. A cada milhão de pessoas correspondem 7,2 milhões de vacas e de ovelhas. Estes animais são ruminantes e expulsam, durante a digestão, através de arrotos e flatulência gases com efeito de estufa, que contribuem para o aquecimento global.

Interesso-me por países ou territórios pouco noticiados ou mesmo desconhecidos. Quando um livro que estou a ler, uma nota de rodapé de uma notícia ou mesmo uma letra de uma canção me sugerem um sítio ignorado, fico como que em alerta e não demoro a procurar saber onde se situa, quais são os países seus vizinhos, como é a sua gente, como vivem essas pessoas, como é a sua cultura, em suma, quero saber tudo. Podia ter acontecido assim com a Nova Zelândia, mas não foi o caso. Este país é há muito tempo meu conhecido, embora ainda não tenha lá chegado e bem gostasse de o fazer. Surge, de vez em quando, nos grandes noticiários, por vezes por tristes razões. Agora foi notícia da Lusa por um assunto que me pareceu um tanto louco. Claro que já sabia que o gado ruminante contribuía fortemente para o aquecimento global. O que me pareceu despropositado foi a Nova Zelândia se propor cobrar um imposto aos agricultores por causa da flatulência e dos arrotos dos seus animais ruminantes.

A notícia levou-me a querer saber mais deste país. Pois estranhei que em vez de reduzir o número de animais a opção fosse a de cobrar mais impostos aos agricultores donos de vacas e de ovelhas que, assim, terão de abrir um pouco mais os cordões às bolsas a favor do Estado neozelandês e eles têm mostrado nas ruas o seu descontentamento.

Lida a notícia surgiu-me logo a pergunta: então desde que paguem mais impostos o gás emitido pelos animais deixa de ser prejudicial ao Planeta? Não parece ser verdade. Se não tem qualquer efeito na redução das emissões de gases com efeito de estufa talvez o erário público do país esteja em dificuldades. Então testei mais esta hipótese. Procurei saber como está classificado o país em termos de desenvolvimento humano, que creio ser um bom indicador para saber a situação económica do país. Então vejam, o seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,937 (muito alto – o máximo é 1). Para que possamos perceber o que representa este este valor comparemos com o IDH de Portugal, onde todos sabemos como vivemos. Este é de 0,866 (mesmo assim, também muito alto)(*).

Vendo bem, depois de saber um pouco mais sobre a Nova Zelândia sou levada a pensar que o país necessita mesmo ver reduzido o número dos seus animais ruminantes, pois quer alcançar a neutralidade carbónica até 2050. Então porque não foi diretamente ao assunto? porque não institui um número de cabeças de gado adequado. Será mais fácil se os agricultores tomarem essa iniciativa?

Já agora deixo aqui mais algumas informações sobre a Nova Zelândia: o país situa-se no Oceano Pacífico (Oceania); a capital é Wellington; é uma monarquia constitucional unitária (Rei, Governadora-geral e primeira-Ministra); tornou-se independente do Reino Unido em 26 de setembro de 1907; a população é de 4 908 420 habitantes (estimativa de 2018); a taxa de alfabetização dos adultos é de 99,9%; as línguas oficiais são o inglês, o maori e a língua de sinais neozelandesa; a moeda oficial é o Dólar neozelandês.  

Imagem: Nations on-line

Imagem: Por David Eccles (gringer (talk) – obra do próprio (in Wikipédia)

(*)O IDH do país é muito elevado (numa lista de 191 países que são analisados neste Índice está em 13.º lugar e Portugal está em 38º.   A revisão do índice foi divulgada em 8 de setembro de 2022, com dados referentes ao ano de 2021, da responsabilidade do PNUD – O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Parece-me interessante indicar também que a taxa de alfabetização na Nova Zelândia é de 99,9% e a de Portugal é de 89,7% (censos de 2011 – Pordata).

Sofrer com as dores do PS

Nos debates na Assembleia da República tenho esperado que António Costa, do alto da sua maioria absoluta, fale à oposição assim: “isto aqui é como nas provas europeias de futebol, onde todos jogam, mas no fim ganha o PS, perdão, ganha a Alemanha”.

Vou direta ao debate do Orçamento Geral do Estado, para o ano de 2023, na Assembleia da República, que, mais uma vez, me causou um certo mal-estar e nem consigo discernir o seu fundamento. A verdade é que não gosto dos ataques da oposição ao PS, principalmente a António Costa. Não sei porque sofro com as suas dores, pois ainda falta uma vez para a primeira para eu votar no seu partido, mas com os tempos que correm, com as posições políticas da minha área de interesse, quem sabe o que pode vir a acontecer, embora seja difícil, se não impossível, atraiçoar-me a mim mesma. Hoje o que é certo é que não aprecio mesmo nada as intervenções da direita e da extrema direita. Se pensar bem, se apelar às minhas memórias mais ou menos recentes, encontro os motivos do meu desagrado.

Não foi assim há tanto tempo, aconteceu nos anos de 2011 a 2015, governavam, então, o PSD e o CDS, houve a crise económica mundial, é verdade, vieram instituições estrangeiras mandar no país e no governo de Portugal, mas todos juntos e de acordo atiraram a crise toda para cima das pessoas.

Agora começo a perceber porque me incomodam tanto as dores do PS. Comparo a situação atual de Portugal com a que o país viveu naqueles anos não muito distantes e não gosto do que vejo lá atrás. Encontro muitas diferenças. Como é o caso da conversa à volta das pensões. A oposição fala de cortes, mas não se pode considerar assim. Honestamente não se lhe pode chamar cortes, pois uma coisa é não dar tudo aquilo que está previsto, não cumprindo a legislação em vigor, é certo, mas a situação impensável é cortar nos valores que estão a ser pagos, isso sim chama-se cortar. Foi isso que fez o governo PSD/CDS.

É certo que os pensionistas e os reformados, em 2023, não vão usufruir do aumento como está previsto na Lei, que devia ser igual ao valor da inflação verificado este ano. Estas pessoas já tiveram um complemento por conta do que deveriam começar a receber em 2023 se lhes atribuíssem o aumento previsto na legislação em vigor. Embora este montante não conte para aumentar o valor das pensões, mesmo assim, houve gente feliz e eu sou testemunha. No ano de 2023 o aumento será da ordem dos 4%. Então o valor da pensão passará a ser o atual acrescido da percentagem do aumento. Reitero que o Governo não vai cortar no valor das pensões isso foi o que fizeram o PSD e o CDS. O Governo não vai aumentar o que devia.

Naquele tempo, cortaram no valor das pensões e no valor das reformas, cortaram subsídios de Natal, não pagaram sequer subsídios de férias, cortaram no valor das prestações sociais, cortaram no valor dos salários. Cortaram e cortaram. Não fizeram nada a favor das famílias que perderam as suas casas para os bancos. Não fizeram nada a favor de quem deixou de poder pagar as rendas de casa. Em suma, não fizeram nada que ajudasse a tirar a carga das costas das pessoas. Para cúmulo, aconselharam os desempregados a emigrar e ainda declararam que Portugal tinha de empobrecer.

Foi então que os mais velhos, os reformados e os pensionistas, que mesmo sofrendo cortes a torto e a direito nos seus rendimentos, chamaram os filhos e os netos de regresso a casa, se assim não tivesse sido o sofrimento teria sido ainda maior. Já agora confirma-se. É por isto que sofro com as dores dos PS.

Quero ainda aqui dizer que aos pensionistas e aos reformados valeu-lhes, naqueles anos maus, o Tribunal Constitucional, que repôs alguma justiça declarando inconstitucionais muitos dos cortes efetuados pelo governo PSD/CDS nas pensões, nas reformas e nos subsídios de férias e de Natal.

Imagem: Desobrigado.com (fotografia captada da TV)

A tolice da oposição

A oposição, em Portugal, é uma tola. Enquanto ela critica as medidas do Governo as pessoas beneficiadas sorriem e dizem de si para si: “sim, diz que já disseste”, dirigindo-se a ela, oposição. Eu sou uma das pessoas sorridentes.

Agrada-me o principio da atribuição de algum dinheiro a quem precisa, mesmo que sejam só 125 € aos adultos e 50 às crianças, sem passar a ideia de que estão a fazer caridadezinha.

“Reunião Plenária – Debate com o Primeiro Ministro sobre política geral 29 de Setembro de 2022, Sala das Sessões – Palácio de São Bento” (in Parlamento.PT).

Praia da Murração. Um dia destes visito-te

Acabo de ler um artigo da National Geographic sobre esta praia situada no Algarve, que desconhecia, a sul da praia do Amado. Parece-me uma maravilha. Fui vê-la melhor no site visitalgarve.pt e também quero que outras pessoas que, como eu, a desconheçam fiquem curiosas.

Diz-se que é uma praia deserta. A estrada requere viaturas que aguentem rodar em terra batida. Chegados lá, os acessos à praia são fáceis.

Tem uma denominação interessante. Não sei porque a designaram assim. Eu tentei saber de onde vem este nome, murração, e socorri-me do Dicionário Prático Ilustrado, Lello ( edição de 1976) que diz que murra é um mineral de que se faziam vasos preciosos e, ainda, que murra é uma mancha que se produz na pele quando esta se aproxima muito do fogo. Então eu arrisco dizer que o nome da praia foi dada pelas pessoas que para lá iam escaldar.

Para quem precise aqui ficam, com a devida vénia, as coordenadas GPS: 37° 9’17.02″N 8°54’31.33″W (in: https://www.visitalgarve.pt/pt/2126/praia-da-murracao.aspx).

Imagem: site visitalgarve.pt

As maçãs de Alcobaça são peros

Alcobaça é um município de Portugal, no distrito de Leiria. Situa-se entre os rios Alcoa e Baça, no centro do País. A aglutinação dos nomes dos rios compôs-lhe a designação.

Se são maçãs desculpem-me, mas pelo que vejo não me convencem, para mim são peros. Há algum tempo publiquei em texto onde defendo esta minha “tese”: há maçãs e há peros, quando o fruto é arredondado e achatado, como a maçã raineta, então são maçãs; todos os outros frutos, que também são arredondados, mas são alongados, são peros. Se vos apetecer podem ver aqui esta minha defesa mais completa (peros e maçãs).

Sejam maçãs ou sejam peros é uma linda fruta e os seus proprietários estão a desenvolver um grande trabalho no seu cultivo e na poupança da água para a sua rega. Acabo de ler na LUSA que o presidente da Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça lhe disse: “Somos a região da Europa, claramente, que usa menos água para fazer um quilo de maçã e que usa menos água para fazer uma maçã”.

Imagem: Câmara Municipal de Alcobaça

Alcobaça é um município de Portugal, no distrito de Leiria. Situa-se entre os rios Alcoa e Baça, no centro do País (veja o mapa abaixo inserido). A aglutinação dos dois nomes dos rios compôs-lhe a designação.

Imagem: Wikipédia

Só a ganância entra em guerra com a natureza

O Secretário Geral da Nações Unidas, António Guterres, em visita ao continente asiático, disse: “A minha geração declarou guerra à natureza”. A mim deixa-me perplexa esta assunção de responsabilidade e digo-lhe que não deve exagerar, pois a sua geração lavou as fraldas dos filhos em tanques de cimento. Comprou produtos a granel nas mercearias embrulhados em jornais velhos. Providenciou alimentos que conservava em salmoiras para o ano inteiro. Amassou e cozeu o pão para a família inteira. Gritou do alto dos montes a chamar os filhos. Escreveu os trabalhos de casa em ardósias. Tomou conhecimento dos acontecimentos do mundo nos rádios dos vizinhos. Deu notícias suas e da guerra em aerogramas. Percorreu quilómetros e quilómetros de estradas e de veredas a pé para levar os filhos ao médico. Só muito tarde a maior parte da sua geração teve direito a viver dignamente, que é assim que se vive se houver avanço civilizacional. Não diga que a sua geração declarou guerra à natureza que isso é uma injustiça para a maior parte das pessoas.

Digo-lhe mais, na juventude, a sua geração viajou pouco. As suas escassas viagens fê-las de comboio, a caminho de outros países onde trabalhava como na escravidão. Só muito tarde comprou automóvel. Raros eram os seres humanos que aproveitavam as viagens de avião. É verdade que a sua geração, António Guterres, assistiu ao arranque e usufruiu das maiores mudanças tecnológicas a que o ser humano ambicionava, mas foi tarde, demasiado tarde para muitos. Mas, apesar das dificuldades vividas, a sua geração considera-se uma felizarda, mas daí a ter declarado guerra à natureza vai uma longa distância.

Senhor Secretário Geral das Nações Unidas não se recrimine, não recrimine a sua geração, porque ela só está a aproveitar um pouco das possibilidades que este “novo mundo” lhe proporciona. Saiba que, mesmo que a ela se dirija, não pode deixar de falar abertamente às gerações depois da sua. Diga-lhes que vivam, que aproveitem as inovações tecnológicas, mas que sejam frugais nos seus usos. Diga-lhes que não enxameiem a terra com equipamentos em desuso. Diga-lhes que estudem cada vez mais e aprendam a diminuir o rasto dos consumos.

Eu sei que quando diz “a minha geração” quer que as pessoas entendam que, há uns anos a esta parte, todos nós, os mais velhos e os mais jovens, não temos a consciência de que muitas das nossas ações infligem grandes males a este nosso Planeta, mas não se esqueça, principalmente, daqueles, poucos que detêm o poder e a riqueza. Vire-se para quem faz viagens de 10 minutos ao espaço afrontando o Mundo com o esbanjamento de dinheiro que tanto falta a outros seres humanos. E quando os mesmos fazem suas corridas de fórmula um e de outras categorias empestando o ar que respiramos e contaminando os bens de que nos alimentos só para seu deleite não os pode deixar de atingir. Olhe também para aqueles que fecham estradas e pontes em Portugal, e não só, para filmar as velocidades furiosas, parecendo que estão a fazer um favor às populações que só se podem sentir ofendidas. Veja que, muitas vezes, quem vive nas cidades ou a elas quer aceder tem o transito condicionado ou não pode mesmo entrar porque os seus carros velhos são poluentes.

Então e os senhores das armas e das das guerras o que lhes tem a dizer? Veja, por exemplo, o que a Rússia está a fazer dentro da Ucrânia? E a Ucrânia o que faz no seu próprio interior? Atente ao sofrimento de toda a natureza. Vise também os países que com o fundamento desta guerra infame aproveitam para manter e até reativar as centrais a carvão e fazer marcha atrás nas promessas que tinham feito de desativar centrais nucleares

Senhor Secretário Geral da Nações Unidas, não foi a sua geração que abriu uma guerra contra a natureza, foram os homens e as mulheres gananciosos de todas as gerações. Foram os que querem olhar para os números das suas contas chorudas e derreter-se de prazer com tanto dinheiro a que chamam seu.

Imagem: ONU

Boas noticias

Encontrei-as na LUSA (Agência de Noticias de Portugal).

Os alunos do ensino superior público, no próximo ano, vão ter reforço dos apoios sociais.

Incêndio de Vale da Serra foi declarado extinto à 1:45.

Paulo Macedo (CGD) diz que é normal que os depósitos venham a ser remunerados.

A Rede Portuguesa de Arte Contemporânea vai contribuir de forma decisiva para a alteração da paisagem da arte contemporânea portuguesa (disse o diretor-geral das Artes). Será uma boa noticia?

Na próxima terça feira vai ser inaugurada, na Torre do Tombo, em Lisboa, uma mostra documental e bibliográfica de José Saramago, o Nobel da literatura português.

O Papa Francisco considerou que o internato de crianças índias no Canadá foi “um genocídio”. Uma boa noticia sobre acontecimentos medonhos.

Imagem: LUSA

O DN terá memórias

As histórias que o Diário de Notícias (DN) tem contado ao longo de mais de 150 anos vão ser preservadas graças aos homens e às mulheres que não admitem que as suas memórias se esfumem.

Eles fizeram um apelo público para a classificação urgente do arquivo e o processo foi iniciado em maio de 2020. Ontem o Conselho de Ministros determinou que o arquivo do DN seja classificado de “bem arquivístico de interesse nacional”.

Com as devidas aspas transcrevo um extrato da notícia da agência Lusa que nos indica o que está abrangido pela classificação dada aos arquivos pelo Governo: “… a classificação abrange “bens arquivísticos e fotográficos custodiados, atualmente, pela empresa Global Média Group”, designadamente o arquivo administrativo e o “o arquivo da redação”, como “dossiers temáticos, recortes de imprensa, recortes de censura, desenhos originais de inúmeras individualidades … o património de natureza fotográfica”, incluindo “negativos de gelatina e sal de prata em vidro e em película, chapas de vidro históricas, provas em papel”.

Quero continuar a ver as histórias da tua histórias DN.

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑