Essuatíni o país rodeado por Moçambique e África do Sul

Esta ideia de mudar o nome dos países tem muito que se lhe diga, às duas por três ouvimos falar de Essuatíni e ficamos a pensar que país é este? onde se situa geograficamente? E lá temos de recorrer às pesquisas. Felizmente há a Internet que nos ajuda a decifrar estes pequenos enigmas. Mas se não fossem os confrontos no país que foram notícia de rodapé nas televisões eu, pelo menos, continuava desinformada. 

Ora então aí temos, Essuatíni é aquele pequeno país da África Austral rodeado de terra por todos os lados. Mais fácil será dizer que tem fronteiras com Moçambique e com a África do Sul. Trata-se da antiga Suazilândia.

Já agora acrescento mais algumas informações. A capital administrativa é Mbabane e Lobamba a legislativa. A sua população, que não chega a um milhão e meio de pessoas, é muito jovem (idade média 20 anos), mas a sua esperança média de vida é de 58 anos, veja aqui os motivos https://pt.wikipedia.org/wiki/Essuat%C3%ADni. Tornou-se independente do Reino Unido em 1968. A economia é fraca baseando-se na agropecuária. Exporta cana-de-açúcar.

Se gostar de saber mais um pouco sobre este país clik https://www.nationsonline.org/oneworld/swaziland.htm

A ponte é uma passagem para a mesma margem

O MUNDO

Moçambique inaugurou hoje uma ponte, construída sobre a baía de Maputo, que liga a capital do país a Katembe, um pouco mais para sul.

Num primeiro impulso pensei: “É uma baía, porque precisam de fazer uma ponte? Porque não investiram em estradas?” Para dar respostas às minhas questões fui à procura de mais informação. E então verifico que a ligação de Maputo a Katembe, pela avenida da Organização de Unidade Africana, é de 137,9 quilómetros, enquanto a ponte sobre a baía tem 700 metros de tabuleiro suspenso e um quilómetro de rampa em cada um dos lados.

A travessia por cima da baía tem de ser mesmo uma vantagem para quem se desloca naquela zona. Então vamos ver um pouco mais. A ponte foi construída e financiada pela China que vai cobrar 785 milhões de dólares. Moçambique vai começar a pagar em 2019. O pacote do conjunto das obras inclui a construção de 200 quilómetros de estradas que se aproximarão da África do Sul e, ainda, mais cinco pontes de menor dimensão.

Nota: na terceira imagem, Moçambique está representado no retângulo a cor laranja à direita.

 

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑