Olhe a coca!

A mulher tinha acabado de estacionar no piso menos três e aguardava o elevador. Dois homens aproximaram-se. Cumprimentaram-na. Um deles, senhor vestido à Ralph Lauren, olhou para ela e disse: “Se eu fosse mulher não andava por aqui sozinha”. Então porquê? Perguntou ela. Ele mostrou-se um pouco atrapalhado. Deve estar habituado a que as mulheres sorriam e fiquem caladas (possivelmente é o que ela usa fazer). Mas, mesmo perturbado, respondeu-lhe: “Sabe isto aqui é muito sozinho e escuro”. Ao que ela disse: “Ah, não tem problema, eu estaciono aqui há anos e nunca me aconteceu nada de mal”. Ele que começou por armar-se em engraçadinho, no momento, já estava a sentir-se desarmado. E lá foi tentando uma justificação: “Eu queria dizer que isto é perigoso para…” (calou-se) e ela ajudou-o dizendo: “Para qualquer pessoa, não é verdade?” Ele, coitado, devia estar a sentir que dali a pouco ela começaria a dizer-lhe que aquela era uma conversa, no mínimo, paternalista que significava que as mulheres são uns seres que é melhor caminharem sempre por sítios com muita gente e muita luz. Os restantes lugares são só para elas se estiverem muito bem acompanhadas por um homem.

Saíram os três no piso zero. O amigo, que não entrou na conversa, ia com um “sorriso na cara”.

Uma mulher e um homem chocam ao virar da esquina

CRÓNICAS

 

Se vai na rua, se chove, se leva o chapéu aberto, se dobra uma esquina e gosta de fazer curvas apertadas, então é melhor colocar o telemóvel no bolso e adiar a chamada.

Não concorda? Então veja este caso real. Uma mulher estava a trabalhar e saiu um pouco para esticar as pernas, endireitar as costas, tomar um café e comprar alguma coisa para o almoço.

O comércio é um pouco longe. Chove. Ela abre o chapéu, tira o telemóvel do bolso, procura na lista e pressiona um nome. Vai a caminhar, a falar e a ouvir o seu interlocutor. Está quase a chegar à loja. Dobra a última esquina e, em sentido inverso, aparece um homem. Os dois caminham rápido. Vão ao encontro um do outro e chocam violentamente. O passeio está escorregadio e ela cai. O telemóvel salta-lhe da mão com tanta velocidade que se escaqueira atirando peças para longe, algumas delas ficam dentro de uma poça de água barrenta.

O acidente deixou-lhe umas negras nas mãos e levou-lhe o telemóvel. Impossível saber-se quem é o culpado. O colega de embate teve muita pena, não dela, mas do telemóvel.

Uma mulher
Imagem: Desobrigado

Europeias 2019: elas são mesmo escassas em Portugal!

OS MENINOS

Andava a informar-me, sobre o rumo das campanhas partidárias, quando me lembrei de olhar a umas quantas listas de candidatos à eleição para o Parlamento Europeu. Vi uma, vi duas, vi três e, um pouco intrigada, pensei: Tenho de ver as listas todas. E vi. Então reparem no que eu encontrei.

 

 

 

No meio destes senhores todos há ali uma mulher? será possível que este partido não tenha um homem para cabeça-de-lista? para quê destoar?

Eu não quero saber se é homem ou mulher. Vou optar subjetivamente.

 

 

Vale de Santiago – aconteceram aqui desumanidades

INTERPRETANDO FOTOS

 

Uma rua de Vale de Santiago (Odemira)504
Imagem: Desobrigado

Onde estão as pessoas de Vale de Santiago? As ruas estão quase desertas. Refugiam-se do Sol. É um domingo de  agosto e, por aqui, o verão é abrasador. Logo, à tardinha, juntam-se na rua. As histórias que ontem foram contadas oferecem hoje novos capítulos.

Mora por aqui um velhote que reclama, quase sempre, a atenção dos seus conterrâneos. Ele quer, principalmente, que os mais jovens o ouçam, que fixem o que ele conta e que não deixem esquecer coisas que homens bons fizeram e as desumanidades cometidas por outros homens.

Ontem ele falou sobre um  homem valente e solidário que viveu aqui nas redondezas. Um homem abastado. Um dia os trabalhadores dos montes,  da aldeia e da vila levantaram-se contra as injustiças. Vieram as “forças da ordem”. Fizeram ouvir as botas cardadas. Arrastaram pessoas para as prisões. Alguns homens  entrincheiraram-se num monte. O homem abastado foi intermediário na rendição. As contrapartidas oferecidas  não foram respeitadas. Os homens do levantamento foram aniquilados e o homem bom vingou-se.

Uma rua de Vale de Santiago (Odemira)
Imagem: Desobrigado

 

 

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑