E assim se fez justiça

Com as devidas aspas vou contar uma das histórias de um belo livro que estou a ler.

É assim:

“No final do século XIX, Juan Pio Acosta vivia na fronteira uruguaia com o Brasil.

O seu trabalho obrigava-o a ir e vir, de povoação em povoação, através daquelas solidões.

Viajava numa carroça puxada a cavalos, com oito passageiros de primeira, segunda e terceira classe.

Juan Pio comprava sempre o bilhete de terceira, que era o mais barato.

Nunca compreendeu porque razão havia preços diferentes. Todos viajavam do mesmo modo, os que pagavam mais e os que pagavam menos: apertados uns contra os outros, comendo pó, sacudidos pelo incessante solavanco.

Nunca compreendeu porquê, até que num dia de inverno a carroça se atolou na lama. E então o capataz ordenou:

– Os da primeira classe ficam onde estão!

– Os da segunda descem!

– E os da terceira … empurram!

In Os Filhos dos Dias, de Eduardo Galeno, escritor uruguaio (1945 – 2015. A editora é a Antígona. Nota: o escritor, a esta história, deu o título: “dia da justiça social”.

Eu conto – Uma história fantástica de Eduardo Galeano

Eduardo Galeano, escritor uruguaio, escreveu, no seu livro “As Palavras Andantes”, histórias fantásticas que tenho estado a ler. Vou contar uma que me fez rir, cintando de cor, com a devida vénia e agradecendo ao autor que já não está entre nós. 

Uma mulher, sentada à beira de um rio, lia uma história. Era uma vez…

Um homem muito rico, dono de tudo o que havia nas redondezas, vivia triste porque não tinha herdeiros. A mulher rezava mil orações e acendia mil velas todos os dias, mas não conseguia a graça de ter um filho.

Ela enresinava a vida do seu deus com os pedidos constantes para que fizesse dela mãe. O deus andava aborrecido e dizia: “Porque insiste ela em pedir uma coisa que eu não quero dar-lhe?”.  A dada altura, cansado, fez-lhe a vontade. Ela ficou grávida, mas nasceu um ser com cara de gente e corpo de lagarto. Mesmo assim, os pais ficaram felizes. Como a fortuna era vasta deram-lhe tudo. Conforto e educação não lhe faltaram.

Passaram os anos e chegou o dia em que o filho disse aos pais que queria uma mulher, que queria casar. Foi escolhida a noiva. Fizeram-se grandes festejos para o povo. Toda a gente aplaudiu. O banquete privado foi memorável. Chegou a noite. Os noivos recolheram aos seus aposentos privados e, nessa noite, o noivo papou literalmente a noiva. No dia seguinte sobrava ele. Correu a informação de que tinha tido o azar de ficar viúvo.

Não houve quem se preocupasse com o desaparecimento da mulher. A história repetiu-se muitas vezes. Os casamentos sucederam-se e os banquetes foram em igual número. O povo vivia encantado. As noivas não faltaram e todas tiveram a mesma pouca sorte. Foram comidas.

Um dia, estando viúvo, ele resolve ir apanhar sol à beira do rio na esperança de encontrar aquela mulher que lia histórias e lá estava ela entregue à leitura. Trocaram algumas palavras e ele regressou a casa como que encantado. Só pensava nela. A noite pareceu-lhe não ter fim. Queria voltar ao rio. Estava perdido de amores quase à primeira vista.

Amanheceu e ele arrastou-se até ao sítio onde a deveria encontrar, mas ela não estava lá. A mulher não tinha voltado naquele dia. Nos muitos dias seguintes ele foi fazendo o percurso, mas em vão. Ela tinha desaparecido. Foi entristecendo. Deixou de comer e foi ficando todos os dias um pouco mais fraco. Até que deixou de sair do quarto. Já não tinha forças para se arrastar. Caiu numa depressão. Estava às portas da morte. Os pais, então, pagaram a quem a procurasse, mas todas as diligências foram em vão.

Um dia, quando ele já estava muito débil, teve um pressentimento. Voltou a muito custo ao rio e lá estava ela sentada à sua espera. Abraçaram-se e ele disse-lhe que quase tinha morrido por ela. Pediu-lhe que casasse com ele e ela aceitou.

Organizou-se o casamento. O povo teve mais uma festa de arromba. O palácio rejubilou. Quando o banquete estava no auge os noivos recolheram-se.

Ela muito terna encheu o lagarto de carícias. Massajou-lhe as costas e ele ia adormecendo. Aos poucos ela foi descascando as suas grossas escamas e devagarinho foi-o comendo, sem que ele se apercebesse, até nada restar. 

Ela dormia calmamente quando amanheceu. 

Moral da história? 

O Uruguai rodeado por gigantes

 

Agora que caminho no Uruguai, conto refrear a vontade de seguir a passos largos. Quero situar este país geograficamente, como é sempre o meu objetivo principal. Aqui vou  percorrer a cidade e as redondezas de Montevideu e muito mais!  Depois acelero o ritmo e recupero o tempo gasto a viver as belezas e o aconchego deste país.

Então estou no Uruguai. Já se sabe que há muito considero importantíssimo que se conheça a localização geográfica dos sítios que dão origem às notícias. Encantei-me com a América do Sul e vou continuar até onde o alento me levar. Isto eu já escrevi: estas viagens são ficcionais (por agora?).

Estavam adormecidas há algum tempo, mas hoje apeteceu-me passar para o país seguinte. Continuo na América do Sul. Já subi um pouco. Caminho de Sul para Norte. Cheguei ao Uruguai. Antes de mais vou centrar-me, como sempre, no meu objetivo principal que é o de situar o país geograficamente. Somente para relembrar e fixar o saber.

Encontro-me na fronteira, ao Sul, como sempre virada para Norte. À minha direita encontra-se o Oceano Atlântico. À minha esquerda a Argentina. À minha frente está o Brasil, que envolve o norte do Uruguai. O país é ladeado por este poderoso triunvirato: o Oceano Atlântico; a Argentina e o Brasil. Não creio que se sinta enclausurado. Mas encontro-o tão pequeno rodeado, assim, pelos gigantes.

Agora que está feita a localização geográfica do Uruguai, vou saber mais algumas informações sobre este país. Há tantas coisas interessantes para antever, mas tenho de ser restritiva. Vou cingir-me ao que não podemos deixar de saber. Então: a população do país ronda os 3,5 milhões e há uns 30 anos que se mantêm estável; 1,8 milhões dos habitantes vivem na capital, Montevideu; o Uruguai tem o maior Índice de Desenvolvimento Humano da América Latina (0,804, muito elevado, 2017);  a superfície é de 176 mil km2; é o segundo país mais pequeno da América do Sul, só o Suriname é menor; a moeda oficial é o peso uruguaio.

Já agora saibamos mais algumas informações interessantes: o futebol é importante e quando o país comemorou o centenário da sua constituição organizou e ganhou, em 1930, o primeiro mundial de futebol. A seleção é designada La Celeste. O seu estádio centenário é uma atração turística; As feiras de segunda mão são designadas por mercados das pulgas; o uso de sal nas mesas dos restaurantes é proibido e é curiosa a forma como ultrapassam a lei pendurando os recipientes com sal em sítio acessível aos clientes; a gastronomia faz-se à base de carnes de vaca e de cordeiro e os churrascos são uma tentação; Existem à volta de 10 milhões de vacas, que são essenciais na economia do país, mas começa a ser preocupante a poluição das águas pelos sistemas de abate de animais.

Antes de deixar este país quero passear pela rambla, essa imensa avenida na orla do rio da Prata. Deliciar-me com uma parrillada, experimentar um um vinho feito à base de espumante e vinho branco seco, saborear o chá-mate, uma infusão amarga, que os uruguaios adoram e costumam tomar em todo o lado. Não quero deixar o Uruguai sem visitar a cidade de Colónia do Sacramento (fundada por um português, no séc. XVII), património mundial pela UNESCO.

 

CONTINUA…

 

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑