O Uruguai rodeado por gigantes

 

Agora que caminho no Uruguai, conto refrear a vontade de seguir a passos largos. Quero situar este país geograficamente, como é sempre o meu objetivo principal. Aqui vou  percorrer a cidade e as redondezas de Montevideu e muito mais!  Depois acelero o ritmo e recupero o tempo gasto a viver as belezas e o aconchego deste país.

Então estou no Uruguai. Já se sabe que há muito considero importantíssimo que se conheça a localização geográfica dos sítios que dão origem às notícias. Encantei-me com a América do Sul e vou continuar até onde o alento me levar. Isto eu já escrevi: estas viagens são ficcionais (por agora?).

Estavam adormecidas há algum tempo, mas hoje apeteceu-me passar para o país seguinte. Continuo na América do Sul. Já subi um pouco. Caminho de Sul para Norte. Cheguei ao Uruguai. Antes de mais vou centrar-me, como sempre, no meu objetivo principal que é o de situar o país geograficamente. Somente para relembrar e fixar o saber.

Encontro-me na fronteira, ao Sul, como sempre virada para Norte. À minha direita encontra-se o Oceano Atlântico. À minha esquerda a Argentina. À minha frente está o Brasil, que envolve o norte do Uruguai. O país é ladeado por este poderoso triunvirato: o Oceano Atlântico; a Argentina e o Brasil. Não creio que se sinta enclausurado. Mas encontro-o tão pequeno rodeado, assim, pelos gigantes.

Agora que está feita a localização geográfica do Uruguai, vou saber mais algumas informações sobre este país. Há tantas coisas interessantes para antever, mas tenho de ser restritiva. Vou cingir-me ao que não podemos deixar de saber. Então: a população do país ronda os 3,5 milhões e há uns 30 anos que se mantêm estável; 1,8 milhões dos habitantes vivem na capital, Montevideu; o Uruguai tem o maior Índice de Desenvolvimento Humano da América Latina (0,804, muito elevado, 2017);  a superfície é de 176 mil km2; é o segundo país mais pequeno da América do Sul, só o Suriname é menor; a moeda oficial é o peso uruguaio.

Já agora saibamos mais algumas informações interessantes: o futebol é importante e quando o país comemorou o centenário da sua constituição organizou e ganhou, em 1930, o primeiro mundial de futebol. A seleção é designada La Celeste. O seu estádio centenário é uma atração turística; As feiras de segunda mão são designadas por mercados das pulgas; o uso de sal nas mesas dos restaurantes é proibido e é curiosa a forma como ultrapassam a lei pendurando os recipientes com sal em sítio acessível aos clientes; a gastronomia faz-se à base de carnes de vaca e de cordeiro e os churrascos são uma tentação; Existem à volta de 10 milhões de vacas, que são essenciais na economia do país, mas começa a ser preocupante a poluição das águas pelos sistemas de abate de animais.

Antes de deixar este país quero passear pela rambla, essa imensa avenida na orla do rio da Prata. Deliciar-me com uma parrillada, experimentar um um vinho feito à base de espumante e vinho branco seco, saborear o chá-mate, uma infusão amarga, que os uruguaios adoram e costumam tomar em todo o lado. Não quero deixar o Uruguai sem visitar a cidade de Colónia do Sacramento (fundada por um português, no séc. XVII), património mundial pela UNESCO.

 

CONTINUA…

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: