Deixaram-me oito horas sozinho à fome e à sede

HISTÓRIAS

Uma criança ainda sem altura para ver a rua pela janela foi deixada num autocarro, sem comida, sem água e nem um adulto por perto. 

Sou um menino de três anos. Fiquei dois meses em casa com os meus pais por causa da Covid-19. Saibam que adorei, mas queria voltar à minha escolinha para brincar com os meus amigos e com a minha professora. No dia em que regressava adormeci e quando acordei estava preso ao banco do autocarro. Não via os outros meninos. Não ouvia vozes. O autocarro estava parado. Fiquei tanto tempo sozinho. Tive tanta fome e tanta sede. Chorei, adormeci, acordei e tornei a chorar. Pensava que os meus pais já não me queriam, até que os vi outra vez. Prendi-me aos seus pescoços e tão cedo não os vou largar.

Agora ouço tanta gente dizer que me encontraram “bem e tranquilo”. Quem se atreve a dizer isso? 

Francamente senhor presidente da Câmara Municipal de Rio Maior. Francamente senhores jornalistas que foram repetindo a lengalenga do autarca que, eu, “a criança estava bem e tranquila”. Um qualquer de vocês experimente ficar amarrado a um banco de um autocarro sem de lá poder sair, sozinho sem saber onde está, sem comida e sem água durante mais de oito horas, mesmo sendo adulto, vejam se ao fim desse tempo estão tranquilos. Pior, eu sou uma criança ainda sem altura para ver a rua pela janela e fui deixado sozinho dentro de um autocarro, sem ter comida, sem ter água para beber, sem um adulto por perto. Têm o desplante de dizer que eu estava tranquilo?

Uma criança de três anos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: