A quinta do meu desconfinamento é um perigo para os incautos

PORTUGAL

Tinha de haver um senão a habitar aquele belo espaço. Não me digam que estou a ser ingrata. Eu até ponderei bem a ideia de publicar este texto, principalmente esta última parte, mas os poços destapados e o enorme tanque de rega são um perigo.

Quando aquele vírus fez adoecer meio mundo e também Portugal, as autoridades de saúde disseram para ficarmos todos em casa, não consegui encontrar escapatória e resignei-me. Foi então que o Primeiro-Ministro mostrou o seu lado sensível ou pôs em prática o seu saber fazer política e declarou que as pessoas podiam sair para fazer um passeio diariamente. Então a reclusão perdeu-me durante umas horas. Espero que António Costa tinha sido recebedor do obrigada que lhe enviei de cada vez que coloquei os pés na rua.

A abertura para o arejamento e para esticar as pernas estava instituída, mas faltava saber por onde caminhar sem ajuntamentos. Ainda não havia máscaras disponíveis no mercado e o medo era muito, mas a casa estava a ficar todos os dias um pouco mais pequena. Tinha de aproveitar a benesse. Então recordei-me de uma quinta verdejante para onde eu costumava olhar e seguir em frente. 

Pensei que era uma boa oportunidade para ir conhecer aquele espaço. Descobri deste modo a Quinta Nova de Queluz. Foi uma agradável surpresa. É bastante extensa. Cheia de árvores, arbustos e plantas mais pequenas. Tudo era verde e florido naqueles dias.

Fiquei deveras agradada e lá passei a encontrar-me com os caminhos e o verde das árvores diariamente, fugindo da monotonia e do SarsCov2 (hoje sei que, naquele tempo, lhe escapei) aproveitei a humanidade do Primeiro-Ministro e lá fui conhecendo a quinta.

Mas vejam lá que tinha de haver um senão. Nos primeiros passeios percorri estradas e veredas. Aos poucos fui tentando descobrir que árvores, que arbustos, que ervas rasteiras floridas eram aqueles que proporcionavam uma frescura repousante. Fui dando atenção a algumas construções do tempo em que a quinta fornecia legumes e frutas ao Palácio. 

À medida que me afoitava pelos recantos onde as árvores e o mato eram mais densos fui sendo surpreendida por mais algumas construções de gargalos de pedra a assomar por entre a verdura, já tinha visto umas à beira das estradas. 

À medida que me aproximava descobri que aquelas construções eram poços, alguns bem fundos. Não me parece que tenham água (testei atirando pequenas pedras lá para dentro e não me respondeu qualquer rumorejo), mas parecem-me muito perigosos para crianças e mesmo para adultos incautos.

Contei quatro daquelas construções. Duas estão à beira de caminhos e outras duas escondidas no meio do arvoredo, ladeadas de veredas por onde as pessoas passam. Parecem-me um perigo ali destapadas, tal como o enorme tanque de rega cheio de água, que fica mesmo ao lado da estrada mais larga da quinta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: