Ajundando a manter a fé nos portugueses

ENSINAMENTOS

O Natal está mesmo a bater à porta, mas eu vou dizer-lhe que tenho muita pena de este ano não o receber cá em casa. Peço-lhe que apareça lá para dezembro de 2021, se o SarsCov2 tiver sido derrotado. 

O vírus até parece saber que as empresas farmacêuticas estão a ser ágeis na criação das vacinas e que rapidamente as autoridades competentes estão a aprovar os medicamentos. Enquanto isso acontece, ele está a mutar-se e a capacitar-se para contagiar mais rapidamente. O Reino Unido já identificou uma mutação 70% mais contagiosa. Muitos outros países já estão a dificultar a entrada de cidadãos de lá regressados, mas, alguns deles, já admitiram que a alteração pode já circular entre as suas populações.

Portugal, como não podia deixar de ser, só deixa entrar portugueses ou cidadãos britânicos cá residentes e se tiverem testes de despistagem da Covid-19 negativos. No entanto, quem está em Portugal, neste Natal, pode deslocar-se por todo o país. As autoridades só apelam à boa consciência das pessoas. As restrições retornarão na passagem de ano.

Os governantes não querem obrigar os portugueses a afastarem-se uns dos outros no Natal. Eu não concordo. É verdade que todos parecemos ser especialistas em saúde pública. Eu também já vou sabendo mais um pouco sobre este novo Coronavírus e quando ouço os cientistas estou sempre muito atenta. Foi assim que ouvi, um dia destes, Henrique Oliveira, matemático e professor no Instituto Superior Técnico, dizer (na SIC notícias) que, se festejarmos o Natal, como as autoridades políticas permitem, vamos ter mais de 800 a 1500 mortos (além daqueles que aconteceriam se não houvesse medidas menos restritivas) tendo acrescentado que as projeções que tem feito, sobre a pandemia, têm estado sempre certas. Ouvindo isto, podíamos meter o travão ou até a marcha atrás, mas não, vamos arriscar, tendo fé de que as pessoas, não estando proibidas, cumprirão todas as regras de segurança que lhes são aconselhadas. 

O Natal está mesmo a bater à porta, mas eu vou dizer-lhe que tenho muita pena de este ano não o receber cá em casa. Peço-lhe que apareça lá para dezembro de 2021, se o SarsCov2 tiver sido derrotado. Eu costumo celebrá-lo com, pelo menos, mais vinte pessoas, este ano vou fazer de conta que estou feliz.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: